Depot Boijmans: uma "primeira vez" artística

Uma visita ao primeiro armazém de arte acessível ao público do mundo

Inspiração 12 Julho 2022

A primeira coisa que se vê ao entrar no Museumpark em Roterdão é a fachada espelhada do Depot Boijmans van Beuningen. Não só o edifício em si é único, mas é também o primeiro armazém de arte acessível ao público do mundo. O armazém exibe toda a coleção de arte do Museu Boijmans van Beuningen. Mais de cento e cinquenta mil obras de arte, em exposição em catorze salas de armazém, em perfeitas condições climáticas. O piso superior do armazém é adornado com quatro, aliás seis, lindas portas pivotantes de carvalho com o hardware FritsJurgens dentro.

A 5 de novembro de 2021, chegou finalmente o momento: o Depot Boijmans foi oficialmente aberto, por nada menos do que o rei Willem-Alexander. Após a construção do armazém, que demorou mais de quatro anos, os primeiros visitantes foram finalmente autorizados a aceder a mais de 151 000 obras de arte Antes da construção, apenas uma pequena parte estava em exposição no Museu Boijmans van Beuningen, que só tinha espaço para 3 000 obras de arte. A maior parte da coleção de arte estava armazenada e guardada em depósitos, não disponível ao público. Hoje, pode-se admirar toda a coleção mundialmente famosa no Depot Boijmans.

Arte, mas não um museu

Embora o armazém esteja aberto ao público, a função do edifício é diferente da do museu adjacente. O Depot Boijmans não organiza exposições: as obras de arte são classificadas com base no material e na disciplina. Os visitantes podem passear e ver a coleção por conta própria, ou fazer uma visita guiada. O armazém é um edifício de trabalho, por isso é possível ter uma vista dos bastidores do trabalho do museu durante a visita. Pode-se espreitar o trabalho dos restauradores e ver como as obras de arte são preparadas para o transporte. Se optar por fazer uma visita guiada para descobrir o armazém, também poderá entrar em algumas salas, para se aproximar ainda mais da incrível coleção do Museu Boijmans van Beuningen.

43_depot-bvb_november-2021_(c)aad-hoogendoorn.jpeg

O armazém tem catorze compartimentos climatizados organizados com estantes, prateleiras e armários para todas as várias obras de arte. Existem cinco climas e vários níveis de humidade para criar as condições perfeitas para pinturas, metais, materiais orgânicos e não orgânicos, e para fotografias a preto e branco e a cores. Dentro das salas do armazém, a humidade e a temperatura são mantidas estáveis. Desde o patamar, as escadas e o elevador, pode ver as obras de arte de todos os ângulos. "É como entrar numa biblioteca à procura de um livro específico e, em vez disso, descobrir dez livros novos. No armazém, é provável que fique positivamente surpreendido com obras de arte que não viu em qualquer outro lugar", afirma o diretor do museu Sjarel Ex.

57_depot_november_(c)ossip-van-duivenbode.jpeg

A grande mudança

A remoção de todas as obras de arte teve de ser realizada com muita precisão, explica Sjoerd Voss, líder do projeto de relocalização do armazém. Quando o processo teve início em janeiro de 2019, a coleção Boijmans estava dispersa em cinco locais nos Países Baixos e na Bélgica. "Conhecemos o peso, o tamanho, o material e o volume de todas as obras de arte. Logo que se esclareceu o local onde as obras ficariam no novo armazém, foi possível começar o exercício de quebra-cabeças. Cada mudança de um item do museu deve ser registada, desde o momento em que é levantada até à chegada ao novo local. Um item nunca pode ser mudado sem que esteja registado em algum lugar. Trata-se de um requisito ao movimentar obras de arte. Não são propriedade nossa, mas pertencem à comunidade", explica Voss.

Para garantir uma proteção ideal das obras de arte, todas as circunstâncias do processo de remoção foram sujeitas a condições específicas: desde os camiões até aos locais de descarga. Em seguida, as obras de arte foram transferidas por categoria para as salas especiais do armazém, perfeitamente adaptadas às exigências climáticas do respetivo material.

27_depot-bvb_august-2021_(c)ossip-van-duivenbode.jpeg

Obra-prima sustentável

A temperatura e a humidade em todas as zonas climáticas são geridas a partir da área técnica, explica Wout Braber, responsável do Armazenamento e Manutenção. "O sistema de alta tecnologia nesta sala é de vanguarda. Ao utilizar unidades de tratamento de água e de ar e unidades de humidificação, criamos ar especial para as várias zonas e compartimentos climáticos. Como resultado, o armazém é um desafio único em termos de tecnologia e acessibilidade. Mostrar toda a coleção: é isto que tornamos possível aqui. O que mais gosto, são todos os dispositivos inteligentes na área técnica. É muito especial conseguir realizar um edifício tão sustentável com exigências climáticas tão importantes. Deu trabalho a muitas pessoas. Não há nada melhor."

35_depot-bvb_september-2021_(c)ossip-van-duivenbode.jpeg

Na construção do edifício do armazém foram utilizados principalmente materiais de origem sustentável, como agregados reciclados no betão. Graças à escolha de materiais e tecnologias inovadores, o consumo de energia do edifício é muito eficiente. Por exemplo, o edifício tem armazenagem subterrânea de calor e frio, e as unidades de armazenagem de água da chuva fornecem água para o jardim do terraço e para as casas de banho. Além disso, o armazém utiliza iluminação LED e urinóis sem água. Os painéis solares no telhado fornecem energia a todo o edifício. Saiba mais sobre Depot Boijmans van Beuningen.

tbcdepot.jpg

Reflexos do ambiente circunstante

A construção do armazém foi encomendada pelo município de Roterdão, com base num projeto do arquiteto Winy Maas, que é cofundador da MVRDV, uma empresa de arquitetura sediada em Roterdão. Era sua ambição projetar um armazém o mais convidativo possível, onde os visitantes se sentissem bem-vindos. Concretamente, o objetivo era criar um edifício acessível que mostrasse de forma transparente como a coleção de arte é preservada. Este é o pensamento subjacente à forma redonda do armazém: o edifício não tem uma frente ou uma parte traseira, por isso parece atraente de todos os lados.

19_depot-bvb_may-2021_(c)ossip-van-duivenbode.jpeg

Parte da tarefa: deixar o Museumpark, onde o novo armazém está localizado, intacto tanto quanto possível. Em vez de mudar o caráter do parque, o Depot Boijmans teve de embarcar numa nova relação com este. Maas cumpriu este requisito dando ao armazém uma impressionante fachada espelhada. O exterior é composto por 6 609 metros quadrados de vidro, divididos por 1 664 painéis espelhados. Isto torna o edifício transparente e faz com que se confunda nas imediações do Museumpark. A fachada espelhada faz com que o armazém pareça uma pintura viva: ao refletir o seu ambiente, parece diferente a cada dia, dependendo das condições meteorológicas.

63_depot_november_(c)ossip-van-duivenbode.jpeg

Roterdão como uma coleção de arte

"Um edifício deve reconciliar-se com os seus arredores", explica o arquiteto Winy Maas. "Acho que a ideia de infinito é muito importante num parque. A arquitetura paisagística geralmente usa espelhos: fazem a área parecer maior. Desta forma, o parque central de Roterdão permanece verde e os espelhos produzem a sensação de que é grande. A forma redonda é uma excelente ajuda. Descobre-se lentamente que dá para virar a esquina e permitir que toda a cidade se desdobre à nossa frente."

81_depot_november_(c)ossip-van-duivenbode.jpeg

"O que também gosto muito dos espelhos é que eles mostram a transformação dos arredores", acrescenta Maas. "Inicialmente, este lugar era uma fossa de construção cinzenta e agora está a tornar-se cada vez mais verde. O armazém marca o desenvolvimento de Roterdão. Esta pode ser a única cidade do mundo onde cada edifício individual acrescenta algo. Desde que a cidade foi bombardeada há setenta anos, todos os novos edifícios contribuíram para a cidade. Cada década carateriza-se pelo seu próprio estilo, como um complemento à coleção de Roterdão."

80_depot_november_(c)ossip-van-duivenbode-1657784381.jpeg

Um jardim panorâmico premiado

O armazém mede cerca de 15 000 metros quadrados. Todo o edifício tem obras de arte em exposição: desde a entrada no rés do chão até ao restaurante com jardim panorâmico no último piso. Com a sua altura de 39,5 metros, é tão alto como a torre do museu do Museu Boijmans Van Beuningen, ao lado. O ambiente verde, onde o edifício está localizado, reflete-se no jardim panorâmico com restaurante no último piso. Ao olhar para o armazém diretamente de cima para baixo, a vegetação do jardim panorâmico funde-se no verdejante Museumpark. O diâmetro do terraço premiado é de 60 metros. As bétulas, as gramíneas e os pinheiros colocados no telhado ajudam a reter a água, a promover a biodiversidade e reduzir o stress térmico na cidade.

61_depot_november_(c)ossip-van-duivenbode.jpeg

O telhado contém um total de setenta e cinco bétulas siberianas com vários troncos e vinte pinheiros. Estes foram cultivados para crescimento horizontal, porque só podem deitar raízes de 60 a 70 centímetros no jardim do telhado. É por isso que as árvores para este projeto foram preparadas num viveiro para a sua nova casa. As suas raízes estão interligadas, o que as torna resistentes à tempestade, mesmo a uma altura de 35 metros. Um elevador de alta velocidade leva os visitantes do rés do chão ao jardim do último piso, de onde podem desfrutar de uma vista deslumbrante de Roterdão.

60_depot_november_(c)ossip-van-duivenbode.jpeg

Espetacular por dentro e por fora

O Depot Boijmans ganhou o prémio público Architizer A+ Awards: mais um da série de prémios e nomeações que este projeto bem sucedido da MVRDV conseguiu obter. O prémio foi atribuído com base em milhares de votos na categoria Galeria e Espaço de Exposições. O armazém foi o favorito entre cinco finalistas. Mas não é só o exterior do armazém a parecer espetacular: o interior também é uma verdadeira experiência. Para a sua criação, Boijmans trabalhou em conjunto com os artistas John Körmeling e Marieke van Diemen. A artista visual Pipilotti Rist criou uma obra de arte fascinante para o exterior.

21_depot-bvb_august-2021_(c)ossip-van-duivenbode.jpeg

Körmeling projetou o interior, incluindo a iluminação para o hall de entrada. Substituiu a parede entre o hall de entrada e o armazém de arte (originalmente feito de pedra) por vidro. Desta forma, ao entrar pode-se admirar a sala circular do armazém. No hall, mandou instalar uma varanda separada, que seguiu a forma redonda do edifício. Van Diemen foi responsável pelo desenho de The Maze: um labirinto tridimensional no átrio do armazém, que inclui exposições flutuantes com obras de arte e artigos da coleção. O átrio fica no primeiro andar do armazém e vai até ao topo do edifício.

69_depot_november_(c)ossip-van-duivenbode.jpeg

Uma antevisão

A jornalista de arquitetura Kristen Hannema foi à descoberta do armazém e descreveu as suas experiências no átrio no jornal Volkskrant , como segue: "Por cima de nós, há um tapete de ‘joias’ brilhantes, debaixo dos nossos pés há talheres cintilantes e olhando para baixo há uma escultura medieval. Três grandes elevadores de vidro – dois para o público e um para as obras de arte – passam ao longo do espaço com vários metros de altura de betão, vidro e aço, através do qual as escadas se elevam até ao céu como num desenho de Piranesi. Vagueando pela área, que se torna mais larga e mais leve à medida que se sobe, o olhar passa de um espaço para outro e, de repente, deparamo-nos num funcionário de restauro que trabalha com uma obra de arte numa ‘mesa’".

70_depot_november_(c)ossip-van-duivenbode.jpeg

Portas pivotantes no sexto piso

Os elevadores de vidro levam ao sexto e último piso do armazém em pouco tempo. Aqui encontrará, junto à área técnica, o restaurante e a área de eventos. Estes locais estão ligados por uma ponte pedonal, que os visitantes podem utilizar para atravessar o átrio. Esta ponte chama-se "showcase 13", pois também tem obras de arte em exibição. A área de eventos tem quatro portas de carvalho com dobradiça pivotante Road Bovenbouw com o hardware FritsJurgens dentro. As portas fecham ou dão acesso à sala de forma elegante, de acordo com as necessidades. Se não houver nenhum evento, ficam abertas, a 90 graus. É uma linda vista quando todas elas ficam abertas com o mesmo ângulo, uma ao pé da outra, oferecendo uma vista impressionante para a linha do horizonte de Roterdão.

Art and pivot doors: a great combination

Juntos através de uma porta

As portas articuladas têm 2 metros de largura, 4,5 metros de altura e pesam cerca de 300 quilos cada. No entanto, só precisam de um impulso mínimo para entrar em movimento. Esta é constantemente uma grande surpresa, afirma Jeroen Iemhoff, que, como gerente de vendas da FritsJurgens, esteve estreitamente envolvido no projeto Boijmans. "Os visitantes mostram um enorme interesse nas portas devido ao seu tamanho e aos movimentos suaves. Os espelhos colocados por cima delas fazem com que as portas articuladas pareçam duas vezes maiores. O facto de que não se vê nenhuma das dobradiças ou fechaduras tem um efeito muito especial. Um belo detalhe: uma das quatro portas grandes contém uma mais pequena, para o pessoal do serviço de buffet. Desta forma, podem entrar no local do evento sem ter de abrir as portas grandes."

depotboijmans-fritsjurgens-pivot-hinge-systems-12.jpg

O Depot Boijmans é, em todos os aspetos, a definição de Gesamtkunstwerk: cada componente, tanto dentro como fora e em qualquer parte, é moldada pela interação de vários artistas. Desde o magnífico design às obras em exposição: cada elemento desempenha um papel único no primeiro armazém de arte publicamente acessível do mundo. Incluindo as portas pivotantes Road Bovenbouw com o hardware FritsJurgens dentro que colocam a paisagem urbana de Roterdão na ponta dos seus dedos ou que criam uma atmosfera de intimidade durante um evento privado. Seja qual for a sua razão para vir, uma visita a este local cativante e único no Parque dos Museus de Roterdão constitui o início de uma aventura artística.

Gostaria de ver outros projetos especiais de portas pivotantes?

Inscreva-se para receber o projeto em destaque do mês e The Blog Channel para se manter atualizado sobre todas as tendências das portas pivotantes.

Interested in
Obrigado por inscrever-se.