Por trás dos espelhos do Depot Boijmans

Quatro portas pivotantes de carvalho

Por trás da fachada redonda espelhada à beira do Museumpark, em Roterdão, encontra-se o primeiro armazém de arte acessível ao público do mundo: Depot Boijmans van Beuningen. Aqui pode admirar a coleção completa do museu com o mesmo nome, mais de cento e cinquenta mil obras de arte. Antes de o armazém ser construído, a maior parte da coleção estava armazenada e conservada em vários depósitos, escondidos da vista. Agora, todo o edifício tem obras de arte em exposição: desde a impressionante entrada até ao jardim no último piso. O sexto piso do armazém, o mais alto, é adornado com quatro, aliás seis, lindas portas pivotantes de carvalho.

Nos bastidores

Tudo começou em 2017, quando a primeira estaca para o armazém foi cravado no chão. Mais de quatro anos depois, o Depot Boijmans foi oficialmente aberto, por nada menos do que o rei Willem-Alexander. O museu tem apenas espaço para exibir 3 000 obras de arte, já o armazém tem espaço para mais de cinquenta vezes esse número. Os visitantes podem passear pelos seis andares sozinhos ou fazer uma visita guiada para descobrir a coleção. O armazém é um edifício de trabalho, por isso é possível ter uma vista dos bastidores do trabalho do museu durante a visita. Pode-se espreitar o trabalho dos restauradores e ver como as obras de arte são preparadas para o transporte.

Uma nova perspetiva sobre a arte

O Depot Boijmans não organiza exposições: a coleção é classificada com base no material e na disciplina. Para garantir uma proteção ideal das obras de arte, foram criados catorze compartimentos climatizados. Existem cinco climas e vários níveis de humidade para criar as condições perfeitas para pinturas, metais, materiais orgânicos e não orgânicos, e para fotografias a preto e branco e a cores. Como o armazém mostra a arte de uma perspetiva diferente, é fácil ficar surpreendidos positivamente pelas obras de arte ainda desconhecidas. E a forma redonda do edifício permite ver a coleção a partir de todos os ângulos. Seja qual for a sua posição, um novo mundo artístico abrir-se-á diante de si.

Drag over the photos for more

Um quadro vivo

O armazém foi concebido pelo arquiteto Winy Maas, cofundador da MVRDV, uma empresa de arquitetura sediada em Roterdão. O seu objetivo era conceber um edifício acessível que mostrasse de forma transparente como é preservada uma coleção de arte. Este pensamento está em linha com a forma redonda do armazém: como não tem uma frente ou uma parte traseira, parece atraente de todos os lados. Para que o edifício se integrasse nos seus arredores, Maas optou pela cativante fachada refletora, composta por 6 609 metros quadrados de vidro, divididos por 1 664 painéis espelhados. Isto faz com que o armazém pareça um quadro vivo: apresenta-se diferente a cada dia, dependendo das condições meteorológicas.

Portas cativantes de carvalho

Os elevadores de vidro de alta velocidade levam para o piso superior do armazém em pouco tempo. Lá, encontrará a área de eventos e o restaurante com jardim panorâmico. Estes locais estão ligados por uma ponte pedonal, que os visitantes podem utilizar para atravessar o átrio. Esta ponte chama-se "showcase 13", pois também tem obras de arte em exibição. A linha de portas pivotantes entre a área de eventos e o restaurante atrai o olhar. Quatro portas pivotantes FritsJurgens de carvalho fecham ou dão acesso de forma elegante à sala. Se não houver nenhum evento, ficam abertas, a 90 graus. Quando estão abertas, as portas pivotantes colocadas umas ao lado das outras dão aos visitantes uma vista impressionante para a linha do horizonte de Roterdão.

Duas em uma

As portas foram fabricadas por Roord Binnenbouw, com sede em Amesterdão, em colaboração com Kersten Constructie. Cada porta tem 2 metros de largura, 4,5 metros de altura e pesa cerca de 300 quilos. Apesar do enorme peso, só precisam de um pequeno toque para entrar em movimento, afirma Jeroen Iemhoff. Como gerente de vendas da FritsJurgens, está estreitamente envolvido no projeto Boijmans. "Os visitantes ficam constantemente surpreendidos com a facilidade de abrir e fechar as portas. Por causa dos espelhos colocados por cima delas, parecem ainda maiores do que são realmente. O facto de que não se vê nenhuma das dobradiças ou fechaduras tem um efeito muito especial. Um belo detalhe: uma das quatro portas grandes contém uma mais pequena, para o pessoal do serviço de buffet. Desta forma, podem entrar na área de eventos sem ter de abrir as portas grandes."

System M+

Para poder controlar totalmente o movimento das portas, optou-se pelo Sistema FritsJurgens M+. "Desta forma, é possível fechar as portas com suavidade e cuidado, apesar do seu tamanho grande", explica Iemhoff. Um dos desejos do cliente era poder abrir as portas no mesmo ângulo, para que os visitantes fossem convidados a entrar na área do evento. O sistema M+ é perfeito para isto. Graças ao seu controlo de velocidade de 30º, pode-se definir a velocidade do movimento de fecho à vontade e, utilizando o Damper Control, garante-se que as portas se fecham de forma elegante e suave. E, como se pode fixar a dobradiça em vários ângulos, as quatro portas pivotantes no armazém têm sempre um aspeto elegante, tanto abertas como fechadas.

Mais informações sobre o System M+

100542_System_M42-_00000.png
Obrigado por inscrever-se.